Log da Prova: Long Triathlon Pirassununga 2013

Demorou, a prova foi no domingo passado, mas só agora pude parar para ver tudo o que reuni da prova, voltei de viagem e ainda tinha que arrumar as coisas para minha viagem da semana seguinte, uma semana, de fato bastante ocupada.

Entrei na semana para prova consciente de que tinha feito o pelo menos o mínimo necessário para terminar o long, no primeiro semestre trabalhei bastante para o Long de Caiobá, e tentei aproveitar o embalo para o Olímpico do Troféu Brasil. Passei algumas semanas de férias, comecei algumas semanas de treinos leves e depois me decidi em fazer o long, aí tive Setembro e Outubro com foco na prova e foi o que fiz. A semana podia ter sido mais intensa, mas preferi não agitar muito: fiz três treinos de natação, em um deles, nadei 1900 metros em 40:43 minutos (na piscina) e fiz uma das três transições previstas. Fomos para Pirassununga no sábado, por chegarmos meio na hora do almoço só sobrou tempo para descansar e ver as crianças brincarem na piscina e sair para a retirada de kits e simpósio.

ImagemA tensão aumentava, já havia falado algo no post anterior e foi algo que aumentou ao longo do dia ao ver tanta gente bem preparada para a prova. Na volta para o hotel, por Deus descobrimos uma cantina na cidade para meu jantar de massas, rodamos tanto e estávamos indo para uma pizzaria que havíamos descoberto no caminho, foi divertido ver depois a cantina lotar de tiradelas, acho que era uma das melhores de Pirassununga (se não for a única cantina). Minha noite pré-prova é de muita atenção, é o momento de colar os adesivos de numeração e de agrupar o material para transição, ainda bem que passamos mais um momento para comer um Açaí com granola que havia encontrado no mercado, serviu para tornar minha noite bem mais leve. Pegamos uma pousada bem gostosa em Pirassununga, mas não consegui dormir nada bem, ainda bem que levei meu travesseiro de casa, senão acho que iria ser pior, minha esposa acordou no meio da noite e me viu dormindo, bom sinal. Acordamos umas 5:20, tomamos nosso café, arrumei o carro (levar a bike atrás exige uns 15 minutos mais de preparação. Eu queria escrever alguma coisa no blog antes da prova, mas a tensão era tamanha que não quis parar para isso.

Chegamos ao local, enorme e que enchia de gente a cada momento, experimentar a água foi muito bom, a água estava com uma temperatura boa, por isso não permitiram roupa de borracha, e nadar um pouco me fez sentir que tinha tudo para concluir pelo menos a natação bem, acho que nisso residia boa parte da minha tensão. Foi bom conversar com alguns colegas e ouvir deles que a tensão os aflige também. Começou a prova, um caos, o circuito seria duas voltas no sentido anti horário, então busquei me manter mais à direita.

Imagem

Os primeiros 100 metros você nada administrando seu espaço, principalmente a frente quando você se depara sempre com dois pés a centímetros da sua cara, foi fantástico avançar e me sentir confiante de que poderia concluir aquela parte da prova de forma muito tranquila. Na volta da bóia tinha algumas plantinhas flutuando, se bobeasse, acabaria comendo alguma delas, na primeira saída quis ter a disposição de que estava inteiramente no jogo, então dei a volta por fora correndo, ouvi minha maravilhosa torcida e voltei mergulhando, tenho mantido a prática de me orientar à medida do possível com o nadador ao meu lado, assim não preciso erguer tanto a cabeça para olhar para frente (o que cansa um pouco), mas por conta disso acabava avançando mais e buscando um próximo nadador para isso. Saí da natação em 40:30 minutos, correndo e deixando uns 120 atrás de mim (eu e meu medo de terminar em último) preparado para próxima perna.

ImagemAcabei tornando a transição um pouco lenta, deu uns 03:39 mins, é que quis colocar uma touca para segurar um pouco o suor e as luvas, por precaução se tivesse alguma queda, fora as meias para não gelar os pés e parti. Acho que foi o melhor circuito que já peguei, pouco mais de 22 quilômetros, em alguns momentos, pegávamos umas descidas tão suaves que quando notava já estava a 40 Km/h. Pude manter um ritmo muito bom nas três primeiras voltas, estava em uma média acima dos 30 km/h até que chegou a última volta, às vezes a sensação de ainda ter mais 22 Kms para correr quando já se deu tanto é terrível, só que começou a bater um vento para estragar qualquer performance, à medida que passava por outros competidores e conversava um pouco era a sensação que tinha, quem voa na bike não pegou nada disso, minha velocidade média caiu naturalmente para os 25 Km/h, daí as subidas eram mais dramáticas, minhas costas doíam, e nesse momento não poderia utilizar tanto o clipe quanto antes, situação bem irônica: em um momento que precisava do clipe para evitar o vento, eu não podia por causa das costas que doíam. Vou ter que fazer algumas mudanças na bike para resolver isso, além disso, tive que administrar também as coxas que estavam ficando bastante duras, quase uma câibra. Concluí o ciclismo em 2:56hs, a transição estava umas 50 bikes mais cheia que a primeira transição e tinha algumas dúvidas de como seria a corrida.

ImagemNa transição, utilizei o gel de Calminex e um Advil para as costas, o gel resolveu instantaneamente, foi um plano B baseado no último Long que resolveu, mas ainda tenho que arrumar a bike. Parti para corrida com o objetivo de terminar, algo que tenho que resolver é que não lembro de fazer uma boa corrida em um triathlon que tenha feito, mesmo assim, mantive um pace entre 6:30/Km e 7:30/Km, minha preocupação era que estava me sentindo cheio, farto de gel, tinha dois para consumir na corrida, mas escolhi ingerir somente uma, pensei até que iria vomitar de tão cheio que me sentia, pensei também que não conseguiria tomar sequer um Gatorade, mas a coca-cola (uma parte de um copo a cada volta) caiu muito bem, mas não neguei nenhuma água, nem Gatorade, era o momento de caminhar um pouco e renovar as forças para mais uma porção de corrida, até que a gente chega, e é isso que é bom! Vamos tentando manter o ritmo o máximo que pudermos para chegar, começou a chover, o que não ajudou muito, mas a chegada foi fantástica, encontrar as crianças no final é sensacional! Terminei a corrida em 2:34hs (um pouco menor que o long em que caminhei bastante, só que em Pirassununga tinha algumas subidas).

Não estou preparado para o IronMan, mas, como pensei, vou começar essa preparação bem melhor, fiz essa prova em 06:20hs. No dia da prova tinha exatos 6 meses para o IronMan Brasil, vai ser desafiador, com meses interessantes pela frente, mas não assustador.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

IMAGES AND WORDS

A little bit of everything

Action Phase

Reviews e notícias sobre jogos de tabuleiro! Novatos, veteranos, curiosos e entusiastas: sejam bem vindos!

O Velhinho do RPG

Um blog dedicado a RPG, Board Games, Quadrinhos e nerdices em geral.

Coffee with the King

Daily bible study notes by Tim MacBride

nós ponto três

design.gastronomia.triathlon

Fernando Asdourian

Bem vindos, aqui alguns causos e umas aventuras esportivas por ai.

NOSSO DIÁRIO DE TREINO

Informações sobre treinos e corridas de rua

Godspace

spirituality, sustainability, hospitality and community

Hearts and Minds

O que não muda é que tudo muda.

Memoriola

Just another WordPress.com weblog

Poesia no Caos

O desconhecido ainda está por vir...

Carlos Toledo em Ação

vivendo o dia a dia

life: caffeinated

sharing life & coffee together

%d blogueiros gostam disto: